O que é

O endometrioma é uma lesão sólida ou cística nódulo, que carrega tecido endometrial e sangue escuro envelhecido e que acomete um ou os dois ovários ao mesmo tempo, peritoneal e parede abdominal.

Causas

Trata-se de uma lesão decorrente de endometriose profunda nos ovários.

Sintomas

Os Endometriomas considerados pequenos (com menos de 3 cm) normalmente não apresentam sintomas. Já os cistos maiores (com até 7 cm) podem causar dores pélvicas, dor durante a relação sexual, durante a ovulação e/ou menstruação.

Tratamento

O tratamento do endometrioma de parede abdominal é a cirurgia aberta para retirar o endometrioma e soltar as aderências dos tecidos.

O que é

O tumor desmoide é caracterizado pela proliferação de fibroblastos, células do tecido conjuntivo. Geralmente, este tumor não provoca metástases, no entanto, pelo fato de ser agressivo localmente, ao longo do tempo, pode proporcionar várias consequências negativas ao paciente. De forma geral, o tumor desmóide pode ocorrer nos membros superiores, inferiores, parede abdominal e retroperitônio.

Causas

O tumor está associada à polipose adenomatosa familiar, doença genética em que surgem vários pólipos no intestino, podendo resultar em câncer no intestino grosso. Por isso, os portadores de tumor desmoide, devem ser submetidos a colonoscopia, principalmente naqueles casos onde a doença está localizada no retroperitônio, a fim de avaliar a saúde do cólon regularmente.

 

Sintomas

O tumor desmoide é, geralmente, assintomático. Nos casos em que há sintomas presentes, a dor é o mais comum.

Tratamento

O tratamento para retirada do tumor desmoide é feito a partir da técnica cirúrgica de ressecção tumor parede abdomino-pelvico, com uma ampla margem de segurança, ou seja, além do tumor, são retirados também alguns centímetros de tecido bom ao redor para evitar que o tumor volte a crescer no local.

O que é

Os Sarcomas originam-se da célula mesenquimal primitiva, um tipo de célula-tronco presente em todo o organismo. Quando este componente sofre alteração, provoca o surgimento de tumores como lipossarcoma (tumor da gordura); rabdomiossarcoma (tumor do músculo estriado) e leiomiossarcoma (tumor da fibra muscular lisa), dentre outros. São diversos tipos de tumores catalogados sob a nomenclatura de Sarcomas de Partes Moles, que podem surgir em todo o organismo.

Causas

A primeira e principal causa da doença é a mutação no DNA em sarcoma dos tecidos moles, de origem genética ou adquiridas durante a vida. As mutações adquiridas podem resultar da exposição às radiações ou a produtos químicos cancerígenos. No entanto, a grande maioria dos sarcomas ocorrem sem motivo aparente.

 

Sintomas

É comum o surgimento de um pequeno nódulo na região afetada, que provocam ou não dor, e crescem rápido, atingindo grandes dimensões.

 

Tratamento

A cirurgia é a principal alternativa terapêutica para tratar os Sarcomas. O procedimento cirúrgico consiste na ressecção do tumor com boa margem de segurança, exerese. Frequentemente é necessário a retirada de órgãos envolvidos, como rim, intestino e pâncreas. Além disso, a radioterapia e/ou quimioterapia podem ser importantes métodos para ajudar no controle da doença e para diminuir a incidência de metástases ou no tratamento das mesmas quando ocorrem.

 

O que é

O carcinoma basocelular é o tipo de câncer mais comum no Brasil e o tipo de câncer de pele mais recorrente, constituindo 70% dos casos. Felizmente, este é também o tipo de tumor menos agressivo. O carcinoma basocelular é originário das células basais, que começam a se multiplicar de forma desordenada, dando origem ao tumor. Quando diagnosticado e retirado precocemente, as chances de cura da doença são altas.

Causas

Além do fator hereditário, a exposição cumulativa aos raios UV é a principal causa para este tumor. Pessoas de pele clara são as mais vulneráveis à doença, que se manifesta especialmente após os 40 anos. Outros fatores de risco são as radiações ionizantes e a exposição a agentes químicos, como o arsênico.

Sintomas

Geralmente, este tumor se manifesta por meio de um nódulo consistente ou de pápula rósea e telangiectasias (pequenos vasos sanguíneos visíveis, lesões que podem sangrar e formar crostas. Além disso, é comum surgir cicatrizes superficiais e placas avermelhadas e descamativas.

 

Tratamento

A excisão da lesão é um procedimento cirúrgico que visa a remoção do tumor por meio do corte da pele ao redor desta lesão, permitindo sua retirada. É usada tanto para remoção de lesões benignas quanto malignas. Em casos de câncer de pele, além da lesão, é removida uma margem de segurança, ou seja, uma parte da pele saudável ao redor da lesão, a fim de diminuir o risco de recorrência da doença. Uma técnica muito empregada quando não é possível realizar a excisão simples é a Excisão de Lesão em Z, em que há a sutura das lesões da pele com rotação de retalho cutâneo.

O que é

O Melanoma é o tipo de câncer de pele mais raro e mais grave. Este tumor maligno que se origina nos melanócitos, células que produzem a melanina ou o pigmento da pele.

Causas

O Melanoma surge de um erro nas células produtoras de melanina, devido à herança genética e ao excesso de exposição cumulativa aos raios UV. Pacientes de fototipos de pele I e II, ou seja, de pele, cabelos e olhos claros estão mais propensos a desenvolver o câncer do tipo Melanoma.

Sintomas

É importante estar atento aos sinais que a pele apresenta e às possíveis alterações, como progressão e mudanças em lesões, pintas ou manchas já existente; coceira, sangramento e a não cicatrização de determinadas áreas da pele. Pintas assimétricas, com bordas irregulares, com tons desiguais e diâmetro maior que 6mm devem ser analisadas.

Tratamento

A remoção cirúrgica do Melanoma com margens de segurança definidas de acordo com a espessura da lesão é feita por meio da Exérese De Lesão. Em alguns casos é importante identificar e biopsiar os linfonodos (pesquisa de linfonodo sentinela) que podem evoluir com metástase regional. Caso a biópsia seja positiva e haja algum comprometimento dos linfonodos regionais (estágio III), a cirurgia é indicada para a retirada de todos os linfonodos regionais através da linfadenectomia Axilar ou Inguinal.